(62) 99402-8419

Correio Popular

Notícias, vídeos e podcasts

Professora morre e 5 pessoas são feridas em ataque contra escola em SP

São Paulo (SP), 27/03/2023 - Sílvia Palmieri, mãe da professora Patrícia, que não foi ferida, deixa a Escola Estadual Thomázia Montoro, em Vila Sônia, após aluno atacar colegas e professoras à faca. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
E4CC2018-9C65-4888-84BC-8B6D9EE18A26

O governo estadual informou que os feridos foram encaminhados aos hospitais das Clínicas, Bandeirantes, Universitário e São Luís.

“A situação causa consternação a todos e a prioridade neste momento é prestar socorro às vítimas e apoio aos familiares”, disse o governo, por meio de nota.

São Paulo (SP), 27/03/2023 - Sílvia Palmieri, mãe da professora Patrícia, que não foi ferida, deixa a Escola Estadual Thomázia Montoro, em Vila Sônia, após aluno atacar colegas e professoras à faca. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Sílvia Palmieri, mãe da professora Patrícia, que não foi ferida, deixa a Escola Estadual Thomázia Montoro, em Vila Sônia, após aluno atacar colegas e professoras à faca – Fernando Frazão/Agência Brasil

Luto oficial

As polícias civil e militar estão no local para atender a ocorrência. Os secretários de Educação, Renato Feder, e da Segurança, Guilherme Derrite, também estão na escola. Foi decretado luto oficial de três dias no estado. A escola ficará fechada e será avaliada a reabertura gradual.

Segundo o secretário de Segurança, o jovem foi contido por uma professora de educação física, cujo nome ainda não foi revelado. Uma viatura da Ronda Escolar chegou em três minutos ao local.

São Paulo (SP), 27/03/2023 - A professora de educação física Cinthia da Silva Barbosa (à direita), que imobilizou o aluno agressor no ataque a colegas e professoras à faca, deixa a Escola Estadual Thomazia Montoro, em Vila Sônia. Foto: Fernando Frazão/Agência Brasil
Professora de educação física conteve o jovem armado- por Fernando Frazão/Agência Brasil

Os primeiros relatos ouvidos pela equipe da Agência Brasil apontam para uma discussão na semana passada entre o jovem responsável pelos ataques e outro estudante. Nesse episódio, o agressor teria proferido ofensas racistas e, desde então, passou a falar que faria um massacre na escola.

Edição: Kleber Sampaio 

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp