(62) 99402-8419

Correio Popular

Notícias, vídeos e podcasts

Governo de Goiás alerta sobre importância da prevenção à doença de Chagas

Barbeiro, nome popular do Triatoma infestans, pode transmitir a doença de Chagas - Foto: Riva Kran
Barbeiro, nome popular do Triatoma infestans, pode transmitir a doença de Chagas - Foto: Riva Kran

Realização de exames é fundamental para identificar doença, que registra média de 689 mortes por ano no estado; SES é responsável por apoio técnico e financeiro aos municípios

O Governo de Goiás, por meio da Secretaria de Estado da Saúde (SES), desenvolve ações para controlar a doença de Chagas, uma das doenças com maior carga de mortalidade no país e sem vacina. O número de óbitos no estado vem diminuindo ao longo dos anos, mas ainda é considerado alto, com média de 689 mortes – este ano, já são 236. Estima-se que entre 200 mil e 300 mil pessoas tenham a enfermidade em Goiás e de 1,9 milhão a 4,6 milhões, no Brasil.

A principal forma de transmissão da doença, por décadas, foi a vetorial, causada pelo inseto barbeiro. Atualmente, a maioria dos casos são crônicos, ou seja, de pessoas que já têm a doença há anos, mas descobrem o diagnóstico tardiamente. Devem realizar exame para Chagas moradores da zona rural que tiveram contato com o barbeiro ou que têm familiares com a doença; pessoas com batimento cardíaco acelerado e dificuldade para engolir alimentos e que tenham intestino preso. Há, ainda, as transmissões orais (por alimentos), vertical (mãe para filho), acidentes laboratoriais, por transplante de órgãos e transfusões sanguíneas.

A superintendente de Vigilância em Saúde, Flúvia Amorim, explica que a doença de Chagas não está superada. Há municípios na região nordeste do estado com alta incidência do barbeiro, como Posse, uma das cidades brasileiras com os maiores índices de vulnerabilidade para a doença. “Por isso a SES desenvolve ações prioritárias para o controle do vetor e alerta a população para a importância do diagnóstico”, afirma Flúvia. Informação é fundamental, destaca. “A partir dela, a pessoa acometida poderá buscar orientações para diagnóstico e tratamento.”

A SES-GO realiza o suporte técnico e financeiro aos municípios, que são responsáveis pelas ações de controle do vetor. A Superintendência de Vigilância em Saúde é responsável pela aquisição, distribuição e manutenção das bombas costais. E também realiza capacitações com os agentes de saúde para ações de controle químico nas residências e de controle ambiental do inseto vetor, cientificamente conhecido como Triatoma infestans.

A SES desenvolveu, recentemente, o Sistema de Informação para Controle Vetorial da Doença de Chagas, que atua em perspectiva geoespacial, permitindo que gestores tenham a dimensão real de dados da doença de Chagas em Goiás, como infestação vetorial, perfil sanitário domiciliar e demais informações cadastrais. O sistema é utilizado, em caráter experimental, nos municípios de Edeia, Aloândia, Simolândia, Alvorada do Norte, Iaciara, Buritinópolis e Posse, onde já foram realizadas capacitações com servidores.

Exame
Em caso de sintomas ou desconfiança de contato com o barbeiro, as pessoas devem buscar atendimento na unidade básica de saúde mais próxima. O diagnóstico da doença é feito por meio de exame de sangue e é disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde (SUS), assim como a medicação.

Secretaria de Estado da Saúde – Governo de Goiás

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp