(62) 99402-8419

Correio Popular

Notícias, vídeos e podcasts

Férias com recorde de mortes em rodovias que cortam a região Norte 

Uruaçu tem um dos trechos mais perigosos da BR-153 em Goiás
Ultrapassagens malsucedidas é uma das maiores causas de acidentes graves
Ultrapassagens malsucedidas é uma das maiores causas de acidentes graves

O número de acidentes graves nas rodovias federais que cortam a região Norte de Goiás nesse período de férias escolares já deixa impressionadas até mesmo autoridades de trânsito, normalmente pessoas experientes no assunto. Somente entre os dias 1º e 27 de julho foram 25 acidentes e 10 mortes em BRs (rodovias nacionais) da região. 

O chefe da 7ª Delegacia da Polícia Rodoviária Federal (PRF) em Goiás, Flávio de Almeida Araújo destaca que em relação ao mesmo período do ano passado, o número de acidentes até caiu no norte goiano, mas a gravidade das colisões aumentou de forma significativa e contribuiu para tantas mortes. Só para se ter uma ideia, dos 29 óbitos em rodovias federais de Goiás, registrados nesse período, 25 ocorreram no Norte do Estado.

Inspetor Araújo, da PRF, destaca que os acidentes estão matando ainda mais

Quilômetros da morte 

Araújo também destaca alguns dos trechos mais perigosos da BR-153 no Norte, como o perímetro urbano de Uruaçu – compreendido entre os quilômetros 200 e 220 da rodovia, principalmente na altura do trevo onde fica o monumento do cristo, local de muitos acidentes com vítimas fatais. 

Acidentes graves no “Trevo do Cristo”, são constantes em Uruaçu

Outro trecho com incidência de acidentes graves, segundo o inspetor da PRF fica entre osquilômetros 130 e 140, próximo ao trevo de Mara Rosa.

Trevo de Mara Rosa também é palco de constantes mortes

Decisões erradas

Estatísticas mostram que as batidas frontais,geralmente ocorridas durante tentativas de ultrapassagens malsucedidas, são as maiores responsáveis pelas mortes nas rodovias.

Na opinião do chefe da PRF, somente com muita educação e fiscalização no trânsito, além de intervenções por parte do setor de engenharia de tráfego, será possível reduzir o número de acidentes nas rodovias da região e de todo o País.

Sybelle Angela  jornalista/Correio Popular

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp