(62) 99402-8419

Correio Popular

Notícias, vídeos e podcasts

Ceia de Natal: Procon encontra variação de até 500% em preços

Pesquisa também comparou os preços atuais de alguns produtos com os praticados em 2022, em Goiânia (Foto: Procon Goiás)
Pesquisa também comparou os preços atuais de alguns produtos com os praticados em 2022, em Goiânia (Foto: Procon Goiás)

Para ajudar o consumidor neste período de Natal, em que o volume de compras é muito grande, o Procon Goiás realizou pesquisa comparativa de preços de produtos para preparo da ceia.

De 11 a 15 de dezembro, os pesquisadores verificaram os preços de 101 itens como frutas secas, doces em calda, frutas, panetones, carnes e bebidas.

CEIA DE NATAL

O levantamento foi feito em 23 estabelecimentos, 15 de Goiânia e 8 de Anápolis. Nos estabelecimentos de Goiânia, a maior variação foi de mais de 500% e ocorreu no melão amarelo, com o quilo sendo encontrado de R$ 2,88 a R$ 17,29. Em seguida, o pêssego nacional, com menor preço a R$ 3,77 e o maior a R$ 16,90, uma diferença de mais de 348%.

Entre as carnes, a variação que mais chamou atenção foi de 127%, no quilo do frango Seara, encontrado de R$ 16,29 a R$ 36,98. Também foi encontrada uma diferença considerável no preço da cesta natalina de 19 itens, com menor valor a R$ 89,99 e o maior a R$ 179,99, oscilação de mais de 100%.

ANÁPOLIS

Nos estabelecimentos de Anápolis, a maior variação encontrada pelos pesquisadores foi de 475,25% na unidade do abacaxi. A fruta tem sido comercializada de R$ 1,98 a R$ 11,39. Entre as carnes, o preço com maior oscilação nos estabelecimentos anapolinos foi o bacalhau porto, que teve o quilo encontrado de R$ 61 a R$ 169,90.

Para quem for de Anápolis e estiver em busca de uma bebida para comemorar o Natal, é bom ficar de olho nos preços. Isso porque o vinho frisante Cella Lambrusco apresentou uma variação considerável: de mais de 80%. Nesse caso, os valores oscilaram entre R$ 45,90 e R$ 82,99.

VARIAÇÃO ANUAL

A pesquisa do Procon Goiás também comparou os preços atuais de alguns produtos com os praticados em 2022 em Goiânia. Nesse caso, a principal variação observada foi na cesta natalina de 21 itens, que este ano tem o preço médio de R$ 144 e o ano passado era de R$ 79,80, um aumento de mais de 80%.

Em relação ao ano passado, o preço do quilo da melancia também apresentou aumento de quase 55%. Em 2022, tinha o preço médio de R$ 17,72 e este ano de R$ 27,43. Bastante procurado para o preparo de sobremesas, o pêssego em caldas Olé também apresentou um ligeiro aumento (49,60%) em relação ao preço praticado no ano passado. Em 2022, seu preço médio era de R$ 12,24 e agora em 2023 de R$ 18,30.

ORIENTAÇÕES PARA AS COMPRAS

  • – A principal orientação do Procon Goiás é sempre pesquisar os preços dos produtos antes de adquiri-los, pois há uma variação significativa de um estabelecimento para outro.
  • – O órgão recomenda também que o consumidor estabeleça, previamente, de acordo com seu orçamento doméstico, quanto poderá ser gasto na compra em supermercado. Depois, faça uma lista dos produtos para evitar a compra por impulso.
  • – Nunca faça as compras com pressa, pois poderá levar produtos que não são tão necessários e esquecer o indispensável.
  • – Analise se as ofertas do tipo “leve 3 e pague 2”, são realmente verdadeiras e lucrativas.
  • – No caso dos produtos congelados ou resfriados, atenção em embalagens que apresentam blocos de gelo na superfície e verifique se há sinais de umidade próximos ao freezer. Isso pode ser um indicativo de que o mesmo foi desligado ou teve a temperatura reduzida durante a madrugada, o que pode acabar comprometendo a qualidade do produto. É importante também ficar atento na consistência, cores, textura e no cheiro dos produtos.
  • – No caso das compras de bebidas, verifique se as garrafas não apresentam vazamentos e as tampas e os lacres não foram violados.  Esteja atento para a data de validade e integridade da embalagem, principalmente, adquirindo bebidas em promoção.

Clique aqui e acesse o relatório da pesquisa

Clique aqui e acesse as planilhas

Editado por Kattia Barreto via Superintendência de Proteção aos Direitos do Consumidor – Governo de Goiás

Facebook
Twitter
LinkedIn
WhatsApp